As bruxas

O filme em que Kim Novak está mais bela, belíssima, é “Sortilégio do Amor”. Nele, há bruxas, bruxedos e bruxarias. E ela é uma bruxa muito poderosa, que faz os seus bruxedos com um gato. E ficamos sabendo que as bruxas não coram, nem choram. Quando amam, perdem as suas bruxarias. Porque o amor é a maior bruxaria, e a definitiva.

Nos meus anos de adolescente, conheci uma mocinha, que era uma bruxa, e ligeiramente estrábica, o que a tornava mais encantadora e perigosa. Uns dez ou doze anos depois, ela apaixonou-se, casou, engordou e virou uma matrona. Então, quando entrava numa casa, as tábuas do soalho rangiam. Ela que havia sido alípede e não andava, mas esvoaçava.

A vida desfaz as bruxarias. Ou por outra, faz bruxarias desastradas.

Aqui, na minha casa, costumam entrar aquelas borboletas noturnas, chamadas bruxas. Diferentemente das borboletas diurnas, as noturnas pousam de asas abertas. Pego-as delicadamente e vou colocá-las em lugares altos, para que alguém não pise nelas.

Machado de Assis tem aquelas páginas extraordinárias da borboleta preta, em Brás Cubas. Este, para espantá-la, com uma toalha, acaba matando-a, e depois pergunta, com remorso: “Mas também, por que não era azul?”

Geralmente, os homens são tolos. As bruxas têm as cores que quiserem, nós é que não as vemos.

Só quando realmente amamos é que vemos todas as cores. E tudo pode ser azul.

Há aquela estória do tintureiro japonês, para quem um freguês foi levar um terno branco, para lavar. Naquele tempo, a expressão “tudo azul”, significava “tudo bem”. O sujeito deixou o terno com o japonês e perguntou-lhe: “Tudo azul?” E o tintureiro japonês respondeu-lhe: “Tudo azul”. No dia seguinte, foi ele buscar o terno, e o japonês havia-o tingido de azul.

Tinja também a sua vida de azul, leitor.

Annibal Augusto Gama

Cena antológica de “Sortilégio do Amor”?

httpv://www.youtube.com/watch?v=9TesRoMisEw

10 thoughts on “As bruxas

  1. Ai, que crônica gostosa. Tem toda razão, Annibal. Quando amamos, vestimos azul e é sempre domingo. Vocês também podem se tornar bruxos encantadores…

    Que cena incrível do filme! Esses beijos de filmes antigos tinham mais sabor?

  2. Comprei td o estoque de tinta azul, amado mestre!!!!! Reforma geraaaaal!!!!!
    Essa loura aí do filme é q/ me deprimiu…..Bonita pra + de metro!!!!!

  3. É preciso recuperar expressões simpáticas como “tudo azul”, meu velho usava direto, e a bruxinha que era boa. Las hay.

    ps. acho que foi Kim Novak que apareceu no último Oscar destruída de tanta plástica errada. Chega a doer vê-la estonteante no filme e na foto acima.

  4. – Na vida real, se a bruxa tem atributos intrínsecos e extrínsecos de fada, enfeitiçar alguém, seja por palavras ou ações, pode acarretar para ela o risco de não conseguir desfazer o sortilégio, mesmo querendo.

    – Tudo azul… O perigo de interpretações literais de frases distraídas:

    Contou-me um amigo, que por ocasião de uma festa na fazenda dele, um empregado da casa avisou-o de que as caixas de cerveja encomendadas para a noite haviam chegado, queria instruções. O dono da casa mandou, então, que as mesmas fossem despejadas nos dois camburões de gelo que as esperavam. Obediente, o empregado levou as caixas até aos recipientes e abrindo, uma a uma, as 96 garrafas grandes de cerveja, DESPEJOU-AS todas nos camburões…

  5. Conselho final a ser seguido à risca. Sobretudo em agostos com 50 tons de cinza.

  6. Vou até rever o filme citado. Sempre vale a pena.
    Será que temos esses poderes todos? Tem hora que nem a vassoura me obedece…rs….
    Crônica ótima!

  7. Como escreveu o poeta Carlos Pena Filho, vamos “extinguir de nós o azul ausente/
    e aprisionar o azul nas coisas gratas”.
    É por aí.

  8. Que delícia de crônica ! No azul da hora que passa, o encantamento da borboleta preta, que podia ser da cor do sonho da juventude. A mocinha distraída, o amor vasculhando a alma no turbilhão do pensamento… E tudo fica azul!!!

Deixe um comentário