O senhor do tempo

Ele pensava numa coisa um tanto maluca. Achava que poderia ter dilatado o tempo de seus momentos felizes no passado. De que jeito? Aí é que está a maluquice. Considerava que se tivesse vivido aqueles momentos mais lentamente, eles teriam durado mais. Como assim mais lentamente? Se agisse e falasse devagar, o tempo custaria para passar, resultando numa felicidade mais duradoura. Mas o mundo a sua volta iria se portar na mesma velocidade que se portou, apesar do comportamento dele, o que teria inviabilizado sua tentativa. Também acho, porém ele supõe que suas atitudes teriam influenciado todos e tudo que o cercavam, freando assim a velocidade do tempo, pelo menos em sua mente.

Roberto Pellegrino

5 ideias sobre “O senhor do tempo

  1. Suposição mais frustrante, impossível.
    Melhor viver o que há para viver e no ritmo que se impõe. Na medida do possível, uma brecada aqui, uma acelerada lá, e vamos que vamos.

  2. Vovó dizia: “Não há mal q/ sempre dure nem bem q/ nunca se acabe.”
    Então deixa rolar td q/ não depende de nós. Assim falou Fefê Zaratrusta.

  3. – Não sei até que ponto a racionalidade deve sempre se sobrepor implacavelmente à ilusão, ao sonho. Neste texto do cronista Pellegrino, a premissa em que ele se baseia está correta, mas que se permita ao ser humano criar livremente seus devaneios e suas quimeras, ainda que sem nenhum compromisso com a realidade.

Deixe um comentário