Conto relâmpago de traição e sangue

O amor deriva da cumplicidade e dela se alimenta. Mesmo que, na vida de um casal, aconteçam ocasionais traições, a conexão entre dois seres cúmplices em seus sentimentos e aspirações supera esses acidentes de percurso.

Ele fechou o livro. Tivesse lido essas palavras antes… antes de…, pensou, amargurado. Agora não estaria trancafiado numa cela, onde permaneceria ainda por muitos anos.

Roberto Pellegrino

5 ideias sobre “Conto relâmpago de traição e sangue

  1. Mas num tô dizendo!!?! Custava um lero, dois dedos de prosa antes do desfecho do fechamento?????
    Pra tudo tem solução, gente, menos pra morte, já dizia La Fontaine.

    Bjkts, Pelleberto!!!!!!

  2. deriva mesmo…mas essa coisa de cumplicidade é dúbio…mas a fala do Pellesberto não é..é genial…

  3. – Meu caro cronista, acredito que a leitura do livro em questão antes da consumação da tragédia da historinha, teria apenas o condão de adiar o desfecho funesto. Isto porque, por motivos profissionais, tantas foram as ocorrências do gênero que conheci de perto, que acabei por convencer-me de que, em circunstâncias como essa hipotética narrada no post, ninguém mata simplesmente por impulso, ou pior, “por amor”. Mata, na verdade, porque está latente no sangue de um certo tipo de indivíduo, a índole do assassino nato a espera apenas da criação das condições de pressão e temperatura que farão detonar os mecanismos que mantêm a violência primitiva que carrega sob controle. Consumada a tragédia, é comum a esse tipo de criminoso mostrar-se aliviado, calmo e sem vestígios de arrependimento no período imediatamente posterior ao fato. Somente dias depois ele parece recobrar a consciência de pertencer ao gênero humano e começa a reagir como tal, geralmente assumindo o papel de coitadinho, mas dificilmente demonstra remorso ou pena da vítima. E esse é um comportamento que independe de raça, sexo, idade, grau de instrução e classe social.
    Bem, antes que este comentário descompromissado dê impressão de estudo de criminologia, é bom ficar por aqui.

Deixe um comentário